sexta-feira, 20 de junho de 2008

Hastearei a bandeira na minha janela quando:


- Portugal deixar de ser o País da Europa com maior índice de abandono escolar, analfabetismo e corrupção

- Em Portugal, ninguém que trabalhe ou queira trabalhar ou tenha trabalhado toda a vida, ou que não possa trabalhar, passe fome

- O desemprego não for um desígnio nacional

- A classe politica deixar de ser maioritariamente composta por incompetentes patéticos. Se construírem menos Centros Comerciais maiores da Europa do que Centros de Saúde, Hospitais, Escolas e Infantários.

- Não se tiver que retirar os pianos de uma sala de uma Escola Superior de Música, porque o chão ameaça ruir

- Os morangos com açúcar sejam exclusivamente uma sobremesa

- Acabar a pouca vergonha do Estado (com o dinheiro dos cidadãos) gastar 3.500.000 euros com transportes dos deputados e milhares de cidadãos não terem dinheiro nem para comprar o passe

- As crianças e os velhos forem tratados com dignidade, pelos pais, filhos, professores, educadores, instituições e políticos

- Os papás ensinarem as crianças que os Professores devem ser respeitados

- Todos os professores forem competentes

- A policia deixar de fingir que não vão as lutas de pit-bull nas diversas Trafarias do País, bem como as corridas a 250 Km/h em várias Pontes Vasco da Gama do País às sextas feiras à noite

- As televisões entenderem que, ao transformar os incêndios em grandes espectáculos de variedades, estão a transformar os incendiários em realizadores e produtores de grandes programas de televisão, o que os enche de vaidade e é altamente motivador

- Se investigar como é que aquele senhor arranjou dinheiro para comprar o Ferrari

- A violência doméstica, a pedofilia, a violação e todos os crimes cometidos contra crianças, forem punidos com 50 anos de cadeia

- Os novos submarinos forem trocados por equipamento para apetrechar condignamente todos os hospitais e escolas do País, e com o que sobra, se comprar tractores e traineiras.

- Os Portugueses perceberem que as figuras do CONTRA-INFORMAÇÃO, não são caricaturas, mas o retrato fiel das pessoas retratadas.

- Os bebes das mães portuguesas, deixarem de ir nascer a Badajoz

- A selvajaria anual de Barrancos acabar por falta de espectadores

- Os jornais, revistas, programas de rádio e televisão, chamados desportivos souberem que, alem do futebol, se praticam mais 347 outros desportos e que mesmo no futebol, há outros Clubes além do Sporting, do Benfica e do Porto

- Não houver 19 causas nº 1 de morte em Portugal, conforme o idiota que estiver na altura a ser entrevistado na televisão ou na rádio

- O Joel Costa, que faz crónicas na Antena 2, for condecorado no Dia de Portugal, em vez do Mourinho

- Não houver ninguém a afirmar que há 700.000 portugueses com reumatismo, 1 milhão com asma, 500.000 impotentes, 350.000 c/ osteoporose, 800.000 c/ transaminase pélvica, 430.000 c/ tuberculose, 685.000 c/ deficiência renal, 6.780.000 c/hipertensão, 2 milhões c/sinusite claustrofóbica, 843.000 c/ panarícios isquemicos galopantes, 2.400.000 c/ problemas auditivos, 300.000 com hérnias discais, 780.000 c/ diversos tipos de cancro, para preocupar as pessoas com a prevenção e os médicos cobrarem 80 euros por consulta

- Não houver nenhum 1º Ministro que tenha a lata de abandonar o País à má fila, em plena crise, para ir sofregamente atrás de um qualquer tacho mais aliciante

- A gripe das aves não tiver direito a mais do que 1 minuto de tempo de antena, por mês, incluindo a informação de que morreram 1 indonésio e 2 chineses, quando nos 5 segundos que demorou a notícia, morreram mais de 700.000 pessoas com outras 250 doenças e 300.000 crianças morreram de fome, de malária e de cólera em África

- Nenhum governante tiver o desplante de dizer que "abriu a época oficial de incêndios

- O nº de óbitos motivados por incompetência ou negligência médica for zero

- A TVI encerrar por total falta de audiência

- O Estado, e os homens do espectáculo, pedirem desculpas públicas póstumas a José Viana

- A população não eleger para Presidentes de Câmara indivíduos fugidos à justiça

- A maioria dos Jornalistas souber falar e escrever português, e deixar de fazer constantemente perguntas idiotas aos entrevistados

- Houver, no estrangeiro, tantas pessoas que conheçam o Eusébio, o Figo, o Cristiano Ronaldo e o Mourinho, como o Camões, o Prof. Agostinho da Silva, O Maestro Vitorino de Almeida, O Prof. Vitorino Nemésio, o Fernando Pessoa e muitos, muitos outros que nunca deram um pontapé numa bola.

- Houver tantos Portugueses que sabem quem são, a Maria João Pires e a Helena Vieira da Silva como os que sabem quem são o Pinto da Costa, o Valentim Loureiro, o Luís Filipe Vieira, o Manuel Goucha, a Cátia Vanessa, o Abrunhosa, a Júlia Pinheiro, a Quicas Vanzeler e o Mantorras

- As Helenas Vieira da Silva não tiverem que emigrar para fazer carreira em países civilizados

- O peixe não chegar às mesas de quem o pode comprar 10 vezes mais caro do que foi vendido nas lotas, para que mais pessoas o possam comer e menos intermediários se possam encher

- Os caçadores deixarem de, sistematicamente, abandonar os cães no fim da época de caça ou, forem presos se o fizerem

- Os autores dos programas infantis de televisão, perceberem que uma criança não é um atrasado mental

- Os pequenos e médios empresários Portugueses não comprarem o 2º Mercedes e a casinha no Algarve, antes de pagarem os ordenados que devem aos Trabalhadores, as facturas que devem aos fornecedores, e as contribuições que devem à Segurança Social e ao Fisco

- Os projectos Aeroporto da Ota e TGV tiverem sido unicamente brincadeiras de mau gosto

- O Estado e as Câmaras Municipais pagarem os milhões que devem aos Fornecedores e outras Entidades credoras

- Se o Estado for condenado a pagar indemnizações, devidas a erros cometidos pelos Governantes individualmente, elas sejam pagas do bolso desses governantes responsáveis e não pelo Estado, pois o dinheiro do Estado é de nós todos e não fomos nós que fizemos a asneira

- Os alunos dos diversos graus de ensino, passarem de ano por terem tido notas para isso e não porque os papás apresentaram recursos idiotas e os Professores e os membros dos Conselhos Directivos tenham medo de perder o Emprego

- Não for possível assistir ao espectáculo deprimente, com direito a transmissão em directo pela televisão, de um 1º Ministro ir a Troia, com toda a comitiva, para a varanda de um apartamento alugado e pago com o dinheiro dos nossos impostos, carregar num detonador faz-de-conta (de cartão e esferovite), para teatralizar a implosão de um prédio abandonado, como se, se tratasse do lançamento de uma nave para a lua, com 3 astronautas portugueses a bordo

o As obras publicas que são pagas com o nosso dinheiro, deixarem de custar sistematicamente mais do dobro do que foi orçamentado e adjudicado e que a palavra "derrapagem" seja substituída pela palavra "roubo"

o Nas greves, deixe de ser possível, sistematicamente, o Governo ou as Administrações das Empresas dizerem que houve uma adesão de 15% e os Sindicatos dizerem que a adesão foi de 95% (um deles, ou os dois, estão a fazer de nós palhaços)

- Os Policias não tiverem medo dos Ladrões, os ladrões tiverem medo dos polícias e os cidadãos normais não tiverem medo dos policias

- Figuras ridículas do tipo Zés Castelo Branco, Cinhas e outros Jardins, Hermans Josés, Lilis Caneças e mais 5.000 figuras destas que aparecem na televisão e nas Revistas, bem como os Editores das mesmas, estiverem internadas em Unidades de Saúde Mental
(recebido por mail)

4 comentários:

terramater disse...

Precisas dum planeta novo. E eu também.

Sara disse...

Ou seja.... nunca irá hastear a bandeira! ahahah

Diabba disse...

subscrevo o texto.

Tal como tu, a bandeira (infelizmente) nunca será hasteada no Inferno.

beijo d'enxofre

ariba disse...

Em vez da bandeira, devia hastear-se era este texto!
Retrato mais fiel do país, nunca vi!